Loading

Arquivo

Greca doa

Administração GRECA doa R$200 milhões às empresas de transporte durante a epidemia do Covid-19

A administração RAFAEL GRECA tem sido muito bondosa com as empresas de transporte. Em 2019, doou R$50 milhões. Em 2020, doou R$200 milhões. Além disso, a Prefeitura recebeu R$32 milhões proveniente da tributação das passagens pagas pelos usuários dos aplicativos de mobilidade urbana.

Ao mesmo tempo que a administração RAFAEL GRECA aumenta o custo de vida do cidadão, ao mesmo tempo que faz doação milionárias de R$250 milhões de reais às empresas de transporte coletivo, e o faz durante a epidemia do Covid-19, no meio de milhares de falências, no meio de um período com descomunal aumento do desemprego e queda da renda do curitibano.

Ao mesmo tempo que a administração RAFAEL GRECA embeleza a cidade com suas praças, suas flores, suas esculturas, estas compradas ao custo de R$6 milhões de reais, ao mesmo tempo que a administração RAFAEL GRECA apoia a arte em suas várias versões, seja a Camerata Antiqua, seja o canto lírico e a música clássica, o que é altamente elogiável, essa mesma administração gera um profundo, vasto e incalculável dano à população em geral, empobrecida pelo fechamento do comércio.

Isso é uma covardia e uma profunda insensibilidade da administração RAFAEL GRECA com o povo em geral.

LINKS.

https://www.tribunapr.com.br/noticias/politica/greca-e-flagrado-jantando-com-donato-gulin-no-graciosa-country-club/amp/

https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/colunistas/celso-nascimento/greca-e-gulin-no-country-parceria-nada-impossivel-eitur3jnsi2d9dikakhufbn6d/

https://blogdotupan.com.br/2020/05/04/camara-de-curitiba-aprova-r-200-milhoes-para-o-transporte/

https://www.agoraparana.com.br/noticia/gabinete-de-greca-tem-26-funcionarios-e-custa-r-42-milhoes-por-ano-aos-curitibanos#.XqyiO8ruoFh.whatsapp

https://theintercept.com/2020/01/02/greca-curitiba-esculturas-turin/

https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/arrecadacao-com-aplicativos-somou-r-32-milhoes-em-dois-anos/52962

 

=

https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/colunistas/celso-nascimento/greca-e-gulin-no-country-parceria-nada-impossivel-eitur3jnsi2d9dikakhufbn6d/

“Rafael Greca é o prefeito de Curitiba que, no dia 6 passado, aumentou a tarifa de ônibus de R$ 3,70 para R$ 4,25. O empresário Donato Gulin (e família) é dono de 70% das linhas do transporte coletivo da capital. Três dias depois do reajuste,na quinta-feira (9), a partir das 18h30, eles se reuniram no refinado ambiente do Bar do Golf, bem defronte ao campo de golfe do Graciosa Country Club. Àquela altura nenhum dos dois imaginava que o Tribunal de Contas iria cancelar o reajuste da passagem.

O abelhudo fotógrafo que teve a gentileza de enviar o flagrante para a coluna bem que tentou ouvir o que conversavam os dois amigos, que tinham como companhia dois outros convivas. A distância não permitiu ouvi-los. Como um deles falava com a boca cheia, até mesmo um especialista em leitura labial teria dificuldades para fazer tradução razoável. Diante de tais impossibilidades, mas com base no contexto e nos interesses que não raras vezes unem o público ao privado, é possível fazer algumas conjecturas:”

  • Gulin teria convidado o prefeito para o happy hour em gratidão pelo aumento?
  • Foi protestar contra o fato de a tarifa do usuário ter ficado abaixo da tarifa técnica de R$ 4,57 reivindicada pelo Setransp, o sindicato dos empresários?
  • Rafael teria comunicado que, conforme prometera na campanha, vai rever o polêmico contrato firmado em 2010?
  • O prefeito teria avisado que o aumento obrigará as empresas a renovar a frota sem mais discussões judiciais?
  • Seria este o momento próprio para Rafael agradecer por suposta ajuda para a sua campanha?

” Poderiam ter combinado estratégias para evitar uma greve de motoristas e cobradores se não ficarem satisfeitos com o dissídio do dia 26?

  • Teriam se concentrado em resolver o teorema rafaelino segundo o qual “as coisas custam o que custam”?
  • Teriam conversado sobre acervos museológicos ou outras amenidades artístico-culturais?

Enfim, são tantos os temas em que a conversa poderia se desdobrar que o encontro entre o público e o privado se manteve envolto em mistério. Claro, nada os impede de ter convívio social — inclusive em lugar tão requintado como o Country Club —, mas se foi para tratar de assuntos de interesse da cidade que dependam de decisões de ambos e que afetem a vida do povo, melhor teria sido cumprir a liturgia institucional de se reunirem em audiência no gabinete prefeitural devidamente agendada e com toda transparência.

Sorry, periferia!”

Leia mais em:

https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/colunistas/celso-nascimento/greca-e-gulin-no-country-parceria-nada-impossivel-eitur3jnsi2d9dikakhufbn6d/

Copyright © 2020, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

==

Administração de Prefeito Greca doa

https://www.tribunapr.com.br/noticias/politica/greca-e-flagrado-jantando-com-donato-gulin-no-graciosa-country-club/amp/

Tribuna Paraná.

TRANSPORTE

Greca é visto jantando com Donato Gulin no Graciosa Country Club

por Redação 14/02/17 11h52 – Atualizado: 14/02/17 11h55

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), foi visto na quinta-feira (9), jantando com o empresário Donato Gulin, que junto com a família, é dono de 70% das linhas do transporte coletivo da capital. De acordo com a coluna do jornalista Celso Nascimento, da Gazeta do Povo, Greca e Gulin jantavam no Bar do Golf, em frente ao campo de golf do Graciosa Country Club, no bairro Cabral.

O jantar aconteceu três dias após o anúncio do aumento da tarifa de ônibus de R$ 3,70 para R$ 4,25. Leia o texto na integra.

=

aprova R$ 200 milhões

https://blogdotupan.com.br/2020/05/04/camara-de-curitiba-aprova-r-200-milhoes-para-o-transporte/

Câmara de Curitiba aprova R$ 200 milhões para o transporte

maio 4, 2020

Maia Neto, com um ápice quando colocou de que valor de R$ 200 mil para o transporte público, divulgado pela imprensa, era “fake news,” – a notícia foi divulgada pelo prefeito Rafael Greca (DEM), em uma entrevista para a CNN Brasil há algumas semanas – a Câmara Municipal de Curitiba aprovou a proposta apresentada pelo Executivo, por 24 a 10.

Apesar do lenga-lenga entre os vereadores, os comentários durante a transmissão ao vivo, através do Youtube, estavam quentes, o que deve criar um número de militantes para trabalhar contra a maioria dos vereadores adesistas aos pedidos do prefeito.

Segundo Maia Neto, parte dos R$ 200 milhões serão utilizados para assepsia dos terminais e estações tubos.

==

Greca R$ 4,2 milhões

https://www.agoraparana.com.br/noticia/gabinete-de-greca-tem-26-funcionarios-e-custa-r-42-milhoes-por-ano-aos-curitibanos#.XqyiO8ruoFh.whatsapp

POLÍTICA

Gabinete de Greca tem 26 funcionários e custa R$ 4,2 milhões por ano aos curitibanos

01/05/2020 às 19:15 ■ por Oswaldo Eustáquio

Motorista do prefeito de Curitiba recebe R$ 17,6 mil por mês. O salário da secretária é R$ 16,5 mil – mesmo valor que recebe o assessor que amarra o cadarço dos sapatos de Rafael Greca. A conta é salgada. Para manter o gabinete em funcionamento, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, conta com 26 servidores, todos ocupando cargos em comissão ao custo anual de R$ 4,2 milhões por ano – contando já o 13° salário. Os dados estào disponíveis no site da prefeitura de Curitiba.

Sào despendidos nada menos que R$ 325,8 mil por mês só em salários. Com este recurso seria possível comprar duas ambulâncias, por exemplo, todos os meses para a cidade de Curitiba. A conta quem paga são os curitibanos e sem a contrapartida nos serviços básicos como saúde e segurança de qualidade.

No gabinete do vice-prefeito Eduardo Pimentel o cenário é mais real e menos fantasioso. Pimentel dispõe de quatro funcionários ao custo mensal de R$ 47,7 mil. Uma disparidade enorme quando comparado com o gabinete de Rafael Greca.

Na lista de servidores lotados no gabinete do prefeito Greca estào servidores que pouco ou quase nada “servem” aos curitibanos. Conhecido pelas extravagantes viagens Brasil afora, Lucas Navarro de Souza é um sujeito de sorte. Do dia para a noite foi alçado ao posto de “grào mestre” do funcionalismo público de Curitiba. A folha de pagamento da prefeitura da capital paranaense mostra que Lucas embolsa por mês R$ 16.586,80 – um dos maiores salários de toda a administração municipal.

Na prática, ninguém sabe bem sua funçào. É uma espécie de faz tudo do prefeito Rafael Greca. Acompanha reuniões políticas e técnicas, mas em nada contribui. Uma das atividades que Lucas mais desempenha na prefeitura de uma das principais capitais do país chega a ser vergonhosa: é ele quem amarra os sapatos de Greca. O prefeito tem enorme dificuldade na simples tarefa que até uma criança de 4 anos faz rotineiramente – já que nào consegue alcançar os próprios pés.

Os holofotes se viraram para o sortudo funcionário do gabinete de Greca quando veio à tona o escândalo da farra da comida com recurso público – protagonizados por Greca e Lucas. Até porque os dois não se desgrudam.

Até a sauna de um aristocrático clube de Curitiba os dois frequentam juntos. As contas das refeições do prefeito e seu assessor predileto são faraônicas. Greca e Lucas chegaram a gastar – com o dinheiro dos curitibanos – R$108,00 em quatro garrafas de água mineral de 500 ml, que se não fosse pelo nome e status poderiam custar R$6,00 em restaurante.

Outro funcionário do Rafael Greca que chama atenção é Almir Carlos Bornancin, indicado pelo ex-vereador Hélio Wirbinski. No site da prefeitura ele figura como motorista de Greca, lotado no gabinete do prefeito. Por mês, ele recebe R$17.606,30 para trabalhar como motorista do prefeito.

O mesmo salário de Lucas (R$ 16.586,80) é pago para Juliana Cruz Lima. Ela é a secretária de Rafael Greca. É quem anota os recados, marca compromissos na agenda e atende aos telefonemas. Sào apenas dois funcionários que tiveram a sorte grande de conhecer e cair nas graças do prefeito Rafael Greca. Quisera o funcionalismo municipal contar com tal bondade.

Neste 1 de Maio, Dia do Trabalho, Lucas, Almir e Juliana sào dois bons exemplos do abismo existente entre os salários pagos aos trabalhadores e servidores de Curitiba e a casta que vive dentro do gabinete do prefeito Rafael Greca. Nào esqueça: R$ 4,2 milhões em salários para 26 funcionários lotados no gabinete de Rafael Greca. É muito dinheiro público jorrado pelo ralo.

==

http://www.zebeto.com.br/2020/05/04/fruet-ataca-e-diz-que-greca-so-ajuda-os-amigos-do-graciosa/#.XrILwC-z0UE

15:36 Fruet ataca e diz que Greca só ajuda os “amigos do Graciosa”

Do deputado federal Gustavo Fruet, nas redes sociais

Enquanto milhares de microempresários e autônomos curitibanos fazem fila na porta da Caixa por R$ 600, o prefeito que “Sabe Fazer” está com um cheque de R$ 200 milhões (socorro, subsídio Prefeitura e Estado e o fim da fiscalização dos indicadores de qualidade) pra salvar os amigos do Graciosa que comandam o transporte coletivo na Capital. Governar para os que mais precisam não é prioridade da atual gestão!

 

==

Greca gasta R$ 6 Milhões

https://theintercept.com/2020/01/02/greca-curitiba-esculturas-turin/

PREFEITO DE CURITIBA TORRA R$ 6 MILHÕES EM ESCULTURAS QUE PODERIAM CUSTAR DEZ VEZES MENOS

Fernanda Seavon, Rafael Moro Martins

EM MEIO A DISCURSOS em que pede “responsabilidade e parcimônia” nos gastos públicos, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, do DEM, mandou comprar por quase R$ 6 milhões e sem licitação 12 reproduções de esculturas de bronze do artista paranaense João Turin, morto em 1949. Elas vão compor o que o prefeito quer que seja o maior jardim de esculturas do Brasil.

A aquisição foi feita em junho passado, meses antes da obra de Turin entrar em domínio público, o que aconteceu agora em janeiro. Hoje, a reprodução das esculturas é livre. Ou seja, se tivesse esperado menos de seis meses para fazer o negócio, a prefeitura não precisaria pagar pelos direitos de reprodução das esculturas e poderia abrir uma licitação para escolher o mais barato entre os vários fornecedores disponíveis no mercado.

Iria custar, como nós apuramos, até dez vezes menos.

Mas o político preferiu não esperar, o que obrigou o município a fazer o negócio com Samuel Ferrari Lago, dono dos direitos sobre a obra de Turin desde 2011 e conhecido na cidade como produtor cultural. Como ele tinha à época os direitos sobre a obra de Turin, a prefeitura pode fazer a compra sem licitação – por R$ 5,85 milhões. Assim, Greca não apenas fez com que o município gastasse mais dinheiro como também o entregou a um fornecedor ligado a um doador de sua campanha eleitoral.

O contrato para a compra com inexigibilidade de licitação foi publicado no Diário Oficial em 25 de junho passado. O acordo estipula até 13 meses para a entrega total das peças.

A fornecedora é a SSTP Investimentos Ltda, empresa que pertence a Lago. O empresário disse que as réplicas estão sendo produzidas em Curitiba e nos Estados Unidos. Segundo ele, isso se deve à complexidade de produzir “obras em escala monumental”. As maiores terão três metros de altura.

“A partir de 2020, sob a perspectiva do direito autoral, o processo de inexigibilidade não se aplicaria, porque qualquer artista poderia fazer as reproduções, e a prefeitura precisaria abrir licitação”, explicou Pedro Lana, jurista e integrante do grupo de estudos de direito autoral e industrial da Universidade Federal do Paraná.

“A administração pública deve seguir princípios de razoabilidade, proporcionalidade e moralidade. Pelos valores altos e pela data em que o contrato foi feito, me parece um caso de mau uso dos recursos públicos e, eventualmente, até de improbidade administrativa”, avaliou o jurista. Caso comprovada alguma relação – mesmo que pessoal ou em negócios particulares – entre ocupantes da prefeitura e o fornecedor, a situação se agrava, frisou Lana.

No mercado, a fundição em bronze custa a partir de R$ 80 o quilo. A prefeitura de Curitiba está pagando R$ 1.842 o quilo.

Questionamos Lago sobre os valores do negócio com a prefeitura. Ele defendeu-se dizendo que o custo foi estabelecido após três perícias. Mas, nos documentos, três peritas contratadas pelo empresário – e não pela prefeitura, como seria de se supor – simplesmente atestam a qualidade estética das obras, sua importância histórica e os valores praticados no mercado de arte. Não há qualquer cotação de preço do material a ser utilizado ou da mão de obra que justifique o tamanho da despesa que a prefeitura escolheu pagar.

Nós fomos ao mercado e encontramos preços muito menores. A fundição de peças em bronze custa a partir de R$ 80 o quilo, aí incluídos material e mão de obra. Para efeitos de comparação, a da SSTP irá sair a R$ 1.842 o quilo.

Para reproduzir Índio Guairacá I, Lago irá embolsar R$ 540 mil. Mas uma empresa de Minas Gerais com tradição na área disse ser capaz de fazer o mesmo trabalho por R$ 40 mil. Pela produção da escultura Índio Guairacá II, Lago cobrou R$ 750 mil da prefeitura. Nós conseguimos um orçamento para a produção dela por R$ 73 mil, nas mesmas especificações, dimensões e material das encomendadas à SSTP.

==

Arrecação com aplicativos

https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/arrecadacao-com-aplicativos-somou-r-32-milhoes-em-dois-anos/52962

Arrecadação com aplicativos somou R$ 32 milhões em dois anos

02/10/2019 15:56

A Prefeitura arrecadou R$ 32,65 milhões em quase dois anos de cobrança do chamado preço público das empresas de aplicativos de transporte, as Administradoras de Tecnologia em Transporte Compartilhado (ATTCs), como Uber, Cabify e 99.

A cobrança teve início no final de setembro de 2017 e o secretário municipal de Finanças, Vitor Puppi, lembra que esses recursos têm se mostrado importantes no esforço de recuperação fiscal do município.

“É uma atividade que vem crescendo e com isso o preço público arrecadado pelo município também vem aumentando”, diz Puppi.

De janeiro a agosto desse ano, o valor arrecadado com os aplicativos somou R$ 14,3 milhões, 85% mais do que os R$ 7,7 milhões apurados no mesmo período do ano passado.

O valor arrecadado pela Prefeitura, recolhido mensalmente, é estabelecido com base em três diferentes faixas. Por corridas de até 5 km, as empresas pagam R$ 0,08 (oito centavos) por quilômetro; de 5 a 10 km, R$ 0,05; e acima de 10 km, R$ 0,03.

Hoje estima-se que são cerca de 12 mil motoristas cadastrados em aplicativos de transporte compartilhado. A Urbanização de Curitiba (Urbs) deve iniciar em breve o cadastramento dos motoristas dos aplicativos.

O total computado pelos ATTCs supera o valor que os 2,9 mil taxistas da capital, por exemplo, arcam para exercer suas atividades – cerca de R$ 4,3 milhões por ano, decorrentes de valores de outorga (R$ 1.350 por táxi) e taxa de administração (R$ 162).

Veja também Oito razões para acabar com lockdowns agora

Read More →